Archive for Abril, 2010

Ontem como hoje, os nossos alunos são uns artistas!

Abril 24, 2010

Admirem as capacidades dos nossos alunos. Neste caso ele mantém bem viva a dmiração pela escola. Obrigada, Paulo Caixeiro.

Anúncios

O Fascinante mundo da fotografia

Abril 16, 2010

Magnum

A agência cooperativa Magnum foi fundada em 1947 por Henri Cartier-Bresson, Robert Capa, Maria Eisner, David “Chim” Seymour, George Rodger, William Vandivert e Rita Vandivert. Motivados pela sensação de alívio causada pelo fim da Segunda Guerra Mundial, fundaram esta cooperativa dois anos após o final da guerra, tirando partido daquilo que melhor os definia enquanto profissionais: a mistura do repórter com o artista.
Decidiram chamar-lhe Magnum Photos Inc. Começou por estabelecer-se em Paris e Nova Iorque, passando mais tarde também para Londres e Tóquio.
Por princípio, os fotógrafos trabalham sob as instruções de editores, mas a ideia por detrás da Magnum é que os seus membros tinham autonomia para trabalhar no tipo de eventos que entendiam. Cabia à agência distribuí-los, estando os direitos de autor reservados para o seu verdadeiro autor e não para as revistas que as publicavam.

http://www.infopedia.pt/$magnum

A arte xávega

Abril 8, 2010

A arte xávega terá sido trazida para Portugal por volta de 1776. Denominada também por “grande arte” é uma forma de pesca artesanal actualmente caída em desuso. (Ainda se pratica, para turista ver nos meses de Verão, nas praias onde se realizou até ao fim do século passado).

A arte xávega é um processo de pesca de arrasto em que uma companha (grupo de pescadores) entra pelo mar num barco de remos, para lançar a rede a grande distância, cercando os cardumes, puxando-a, terminando a faina à força de braços e com a ajuda de bois. Estes bois possantes eram destinados apenas à faina marítima.

Espectáculo emocionante. Os riscos corridos pelos pescadores eram acompanhados pelas mulheres, crianças e velhos “lobos-do-mar” que, das areias da praia, fixavam o horizonte durante horas. Chegado o barco, são e salvo, era a sua vez de, juntamente com os bois, puxarem a rede, sempre com esperança de ver o seu saco carregado de peixe.

Havia momentos de silêncio, só se ouvia o bater das ondas. Ocorriam na entrada do pequeno barco nas ondas alterosas e na chegada da rede. Primeiro era o silêncio do medo, o do fim era o silêncio da expectativa de uma boa pescaria que afastaria por uns dias a fome endémica.Trabalho hercúleo, brutal, por vezes, muitas vezes mortal. A força de quem o viu ficará para sempre na memória. Ninguém como Raul Brandão traduziu toda a grandeza da arte da xávega e dos seus actores. E passo a citar de memória.

“Que povo é este que lavra as ondas do mar? “

 

http://olhares.sapo.pt/ahcravo

(Para mais informação ver este endereço)

Eu e Blog DD

Abril 6, 2010

Eu e Blog DD

Gosto desta forma de comunicação. Entendo que a profissão dos professores se enquadra na área dos comunicadores. Deste modo procurei sempre passar a minha mensagem recorrendo aos meios que considerei, e considero, mas adequados. Passei por muitos “modismos pedagógicos, didácticos, metodológicos”, segui muito poucos. Apanhei uma coisa aqui, outra ali e fui seguindo. Entendo que na minha profissão não há muitas regras, tem que haver, isso sim, muita criatividade, muito bom senso, muito conhecimento daqueles a quem queremos passar a (s) mensagem (ns).

Preparo-me pensando na eficácia dos meus procedimentos e na sua eficiência. Nem sempre tenho sucesso, mas também não pretendo ter sempre sucesso com todos os meus alunos. Consigo chegar a uma grande parte, hoje com mais trabalho e dificuldade, mas não desisto. Sou persistente, não os largo, obrigo, sou por vezes uma “seca”. Mas esta é a atitude do vendedor que só assim tem sucesso. Ganha pela insistência.

Este Blog, aberto à leitura de quem aqui chegar, é para mim um espaço diversificado, um espaço de cultura, de múltiplos saberes, de reflexões, de conhecimento. Será bom que os nossos alunos o vejam e que vejam que os seus professores são multifacetados, têm mais vida e interesses para lá da sala de aula.

O Fascinante mundo da fotografia

Abril 6, 2010

Robert Doisneau

Robert Doisneau nasceu em Gentilly, perto de Paris em 1912 e tendo morrido em Paris em 1994.

Em 1929 dedicou-se à fotografia, registando momentos do quotidiano parisiense. Ficou conhecido como um dos mais famosos “fotógrafos de rua”.

E por ter dedicado uma parte significativa do seu trabalho à escola e sobretudo aos alunos, ficam aqui registados instantâneos ímpares desse quotidiano.

Já não há semideuses

Abril 4, 2010

Houve uma época em que a literatura era feita por “semideuses”. Um deles chamou-se Alexandre Herculano e nasceu em Lisboa há 200 anos, a 28 de Março de 1810. Nenhum outro intelectual teve em vida, o poder de Herculano. Mais do que escrever livros – fez uma literatura; mais do que comentar acontecimentos – inspirou-os; mais do que tentar compreender o mundo em que vivia – transformou-o. (…)

Na década de 1850, Herculano conseguiu ser favorito dos reis, que o recebiam no Paço, e do povo, que enchia as salas onde falava em público. Os seus contemporâneos viam-no então como ele sempre quis ser visto: um profeta laico, cujas opiniões ocupavam as primeiras páginas dos jornais e decidiam as grandes questões públicas. (…) Herculano era a maior glória nacional, homenageado por todas as academias da Europa e da América. Camões e Pessoa só puderam sonhar com um triunfo póstumo. Herculano teve-o em vida.

(…) Na mitologia nacional, porém, Herculano funcionava como modelo de cidadão. (…). 1910, não fosse a inesperada República, teria sido simplesmente o ano do primeiro centenário, intensamente celebrado. Ainda em 1977, o aniversário da sua morte serviu, por entre congressos, conferências e reedições, para pôr a nova democracia sob a sua protecção espiritual. 2010 ficará para a História como o ano em que Herculano não foi comemorado. Que aconteceu? Mudaram os gostos, falharam os professores, o Estado preferiu Afonso Costa …Talvez não tenha sido só Herculano que desapareceu, mas o seu lugar. Já não há semideuses.

Rui Ramos, in Expresso, Actual, 27 de Março de 2010