Archive for the ‘Poesia’ Category

Poesia à solta pela Escola

Março 15, 2010

Porque a Escola é lugar de criatividade e de imaginação, deixamos aqui um exemplo…

O Fantasma ou a solidão

Existe uma alma eterna que procura
Tudo quanto o destino lhe prometa!
A tristeza existe, mas não liberta,
A lágrima corre precisa, mas enferma,
Derramando esparsos medos sob a lua;
Este solitário vagueando lastimoso,
Triste, amedrontado, desconhecendo lar,
A maldição no seu ventre transporta a sufocar,
Que nem chama num candelabro a iluminar
O destino firme, mas maldoso;
“Mas que destino eterno eternamente?” impõe-se a questão,
A noite corre fria, deplorável, escura,
E o vulto permanece solitário nesta amargura,
Sem caminho que descubra
Um pleno raio a salvação;
“Eu perdido passo solitário eternamente eterno!”
E sob a plácida maré eterna plenamente chorou,
Como abraço nunca sentido por onde errou,
Sem conhecer os desígnios de quem louvou,
Das eras felizes do imenso credo;
“Morto estou eterno eternamente, ou não serei fantasma?”
Fantasma eterno do eterno medo,
A quem descanso algum pareceu pleno,
E os mortais seus semelhantes fazem por esquecê-lo,
Nesta eterna eternamente perdição cantada;
Louva o rol de perdições sentidas longemente:
Nunca ao teu amor sentimento confessaste,
Nunca ao teu próximo ajudaste,
E julgas que o paraíso surge puro neste contraste
De ímpio mal maldoso eterno eternamente?
“Pois o castigo mereço, o castigo somente,
O castigo de Caim mais detestado,
Irmão peste, desprezado,
Da humanidade menos cantado,
Do qual o mal se ergue e sente!”;
A chama luminosa, quente, ergueu-se neste pleno satisfazer,
E nela o fantasma, gritando, desapareceu eterno eternamente:
“Aos filhos do homem me despeço neste breu latente,
Neste frio coagido na penumbra longe do céu pendente,
Porque no Inferno eterno eternamente irei para sempre adormecer!”

Daniel Sousa, 12ºC

Anúncios